J.A Peças e Serviços

Aqui o seu carro, moto e bicicleta é bem cuidado, venha e confira nossas instalações...

Anuncie conosco

Quer ser visto? anuncie seu trabalho, sua loja, seu projeto e veja o resultado que...

Kamila Káren - confira agenda da cantora:

Mais que músicas, bençãos em suas vidas...

Acessem o site da Assembleia de Deus Serra do Mel

Conheçam o portal da Igreja em Serra do Mel e conheça um pouco mais sobre...

Pr. Demetrius e Pr. Angélica

Conheça o blog do ministério dos...

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Intimidades no namoro tem seu preço!





Algumas pessoas não entendem muito bem o que realmente representa o período de namoro e sua importância na vida de dois jovens cristãos. O namoro prepara “adultos”, um homem e uma mulher, com bom nível de maturidade, para um futuro convívio a dois. A questão aqui não discrimina idade, mas maturidades espiritual e emocional.

Para entender melhor, é como se Deus trabalhasse com um semáforo. Se uma moça ou um rapaz traz dentro de si sentimentos de ciúme e insegurança, o sinal de Deus está vermelho, e a resposta é NÃO.
O Pai ama seus filhos e sabe que um relacionamento sem estrutura só produz um resultado: traumas.


Quando dois jovens se esforçam para ser “santos”, buscando no Senhor a pessoa certa, o sinal fica amarelo. Ele está dizendo para esperar. Isso não significa que estão prontos, mas, por terem dado liberdade para Deus de agir, Ele então trabalha para unir.

Por essa razão que é tão importante o casal de amigos, que mantém um bom ritmo de comunicação e que pretende namorar, se unir, primeiro, em propósito de oração e jejum, para ter de Deus o sinal verde. 

Quando um rapaz e uma moça entram em oração para saber a resposta do Senhor, estão honrando Ele.
Isso faz toda a diferença.

Embora o desejo de ambos seja tornarem-se íntimos, a liberdade no aspecto físico e sexual não é permitida por Deus. A relação sexual está destinada a pessoas casadas (Hebreus 13.4; Génesis 2.24; Cantares de Salomão 4.12; 1Tessalonicenses 4.3-5; Colossenses 3.5-6; 1Coríntios 6.15-20; 1Timóteo 5.22; 2Timóteo 2.22).

O período de namoro é um tempo de conhecimento da alma, do coração, nunca do físico. 

O aspecto físico está destinado para depois do casamento. Na maioria das vezes não é fácil.
É uma questão que exige disciplina própria e vigilância constante. É um período onde a comunhão espiritual é fator primordial. Quanto mais próximos os dois estiverem de Deus, mais próximos estarão um do outro.

Saber a hora certa para um beijo ou um abraço mais apertado fica a mercê do que o Senhor determina dentro do relacionamento de cada casal. Sabe-se, porém, que um casal de namorados cristãos tem Deus sempre em primeiro lugar em suas vidas. As vontades, emoções e mentes estão sempre no plano dEle. O corpo físico sempre está sob controle.

Infelizmente, muitos namoros cristãos estão fora do padrão de Deus. 
O espírito se apresenta fraco gerando uma sensibilidade espiritual cauterizada. Não se escuta a voz do Espírito porque a carne está sendo alimentada, as emoções e vontades, descontroladas. O físico veste a sensualidade. Ora, todo casal de namorados deseja um carinho.


O que deve ser evitado são os exageros. Existe uma diferença de um beijo de um casal de namorados e um beijo de um casal de cônjuges. Assim também há diferença nos abraços de namorados para um abraço caloroso de marido e esposa.

Avanços físicos só frustram o relacionamento, pois irão provocar desejos sexuais que não podem ser satisfeitos devidamente antes do casamento.  (1 Tessalonicenses 4.3-8; 1Coríntios 7). 

Estar em atividades com outros jovens, fazendo atividades divertidas, sempre é uma boa opção.
Envolver-se com amigos é bastante gratificante.

É importante observar, nessa fase, a relação da pessoa com Deus e os hábitos dela e dos pais.
Nunca se deve casar para desfrutar do sexo, casamento não é apenas isso, muito mais está envolvido. 
Pense que casamento é para sempre, ( Génesis 2.24; Romanos 7.1-3; Mateus 19.6).


Fonte: Garagem Jovem (DESATIVADO)

Suicídio e salvação: Quem se suicida poderá ser salvo?

Suicídio e salvação: Quem se suicida poderá ser salvo?



Você pergunta: Recentemente saiu a notícia de um pastor famoso muito próximo de mim que se suicidou. Isso me deixou bem confusa. Esse suicídio me pegou de surpresa. Eu sei que muitos suicídios acontecem todos os dias, mas foi a primeira vez que vi a notícia de um pastor tão próximo de mim se suicidando. O que mais me intriga é como pode um pastor se suicidar? Um homem que deveria estar mais próximo de Deus que outras pessoas. Mas minha maior dúvida é se quem se suicida perde a sua salvação? A pessoa que se suicida pode ser salva?

Cara leitora, esse é um assunto bem triste mesmo. O suicídio, creio eu, é uma das coisas mais tristes na vida de uma pessoa, pois põe fim a vida, que é um dos maiores dons de Deus. Segundo estatísticas, cerca de 1 milhão de pessoas se suicidam todos os anos. Os motivos são os mais variados, mas os mais comuns são o desencanto pela vida, não conseguir mais achar motivação para viver, o desespero por problemas que parecem não solucionáveis, não achar um sentido para sua existência, sofrimentos dolorosos de muitos tipos, problemas financeiros, familiares, uso descontrolado de medicamentos, etc. Vamos avaliar essa situação com muito critério à luz da Bíblia para que possamos chegar a algumas considerações:

(1) Não existe nenhuma passagem na Bíblia que fale diretamente sobre o suicídio. O que sabemos, e é evidente, é que o suicídio é um pecado e se enquadra em Êxodo 20:13: “Não matarás”. Aquele que se suicida mata a si mesmo, portanto, quebra o sexto mandamento.

(2) Ao mesmo tempo, devemos também pontuar aqui (não diminuindo a importância do pecado do suicídio), mas devemos pontuar que a Bíblia afirma que existe apenas um pecado que é imperdoável, que é a blasfêmia contra o Espírito Santo (Mateus 12:31). Sendo assim, podemos já chegar a uma primeira conclusão: o suicídio é um pecado perdoável, pois em nenhum texto bíblico é apontado como imperdoável. Mas aqui cabem algumas considerações importantes:

Quando quem não conhece a Cristo se suicida

A Bíblia afirma claramente que todos aqueles que não se renderam a Jesus Cristo, que não creram nele, estão condenados ao sofrimento do inferno, da eterna distância de Deus: “Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado” (Marcos 16:16). Isso significa que uma pessoa que se suicida e não tem Cristo como seu Senhor e Salvador, continuará perdida após a morte. O sofrimento dessa pessoa continuará, não se findará com a sua morte. Daí a importância de ajudarmos pessoas que estão dando sinais de que podem se suicidar a caminharem em direção a Cristo, que pode mudar totalmente suas vidas e tirar do coração delas qualquer desejo suicida. Além, é claro, da ajuda médica que se faz necessária em muitos dos casos.

Quando quem conhece a Cristo se suicida

Seria possível uma pessoa que conhece a Cristo pensar em suicídio? Penso que sim! Temos casos na Bíblia de servos de Deus que à beira de situações desesperadoras pediram para si a morte. Elias quis morrer quando perseguido por Jezabel (1 Reis 19:4). Moisés também chegou a perdir para Deus a morte (Números 11:15). Isso aconteceu também com Jonas, mas por um motivo mais fútil (Jonas 4:3). É claro que eles não pensaram em se suicidar (matar-se com as próprias mãos), mas pediram a Deus que os levasse, ou seja, queriam morrer.
Não podemos negar que existem fatores que podem levar servos de Deus a pensar no suicídio, enumero alguns: momentos crônicos de flutuabilidade da fé; desespero por situações difíceis da vida; distância de Deus; vida de pecado; grandes perdas, etc. Mesmo servos fiéis a Deus podem passar por esse tipo de momento. Quero pontuar aqui também os problemas mentais. É possível que haja desequilíbrios mentais que tirem o discernimento da pessoa e a leve a cometer um ato como esse. Uso de medicamentos. Alguns medicamentos alteram fortemente o funcionamento cerebral e podem levar pessoas a cometer atos errados sem estar totalmente conscientes disso.

Enfim, essas possibilidades existem. A maioria delas não justifica a pessoa se suicidar, mas são casos possíveis de acontecer. Não quero aqui dar qualquer justificativa ao suicídio, mas a realidade é que esses casos existem devido à complexidade do coração humano e também, claro, a sua pecaminosidade que, mesmo em servos de Deus, pode aflorar em alguns momentos. Da mesma forma que um servo de Deus pode pecar gravemente num momento de ira descontrolada, por exemplo, outro poderá atentar contra a própria vida em momentos parecidos. O problema é que o suicídio é definitivo.

Imaginemos uma situação:

Luiz é um servo de Deus, converteu-se a Cristo em sua adolescência. Logo recebeu o chamado missionário e começou a fazer missões urbanas. Luiz casou-se e teve 3 filhos. A pressão do trabalho missionário, da família, a absorção dos problemas das pessoas que o procuravam para aconselhar-se e a solidão do seu trabalho diário, levou Luiz a um quadro de depressão. Porém, a igreja que apoiava Luiz sempre acreditou que depressão era frescura, que era falta de fé, falta de vida com Deus. Luiz, então, cada vez mais se isolava e não encontrava o apoio que precisava para superar suas dificuldades. Um dia a pressão foi tanta e o apoio foi tão pequeno que, no desespero, num ato impulsivo, Luiz se jogou de uma ponte.
Aqui entra minha pergunta: Luiz está no céu com o Senhor? Ao que tudo indica, os frutos de sua vida com Deus antes dele adoecer sempre foram notórios. Seu trabalho, sua maneira de viver, sua família, sempre demonstraram que Luiz era um cristão fiel a Deus e com o coração na obra. Ele teve apenas um momento em sua vida onde adoeceu sem seus sentimentos e não teve apoio. Não temos elementos para dizer que Luiz não foi salvo especificamente por causa do ato que cometeu. Se ele foi alcançado pela graça ainda quando jovem, essa mesma graça o conduziu à presença do Pai para gozar a sua salvação, ainda que ele tenha errado.
No entanto, quero deixar registrado que a salvação de uma pessoa pode até ser questionada por nós, porém, somente Deus tem a palavra final, somente Deus vê o coração e sabe os pormenores de cada vida!

(3) Sendo assim, creio de forma clara que a Bíblia não nos autoriza a pensar que um servo fiel a Deus possa perder a sua salvação por conta de ter cometido o pecado do suicídio. Deus o conduz a salvação, pois a salvação não é por obras nossas, mas pela graça de Deus (Efésios 2:8-9). Dessa forma, não posso admitir que um servo fiel a Deus, que recebeu o Senhor Jesus e foi selado pelo Espírito Santo da promessa (Efésios 1:13), mas que, por algum desequilíbrio em sua vida acabou atentando contra a sua própria vida, possa perder o bem mais precioso que Deus lhe deu, a sua salvação. Não estou admitindo aqui que o pecado seja algo sem importância na vida de alguém! Estamos falando de um desequilíbrio momentâneo grave na vida de alguém que o levou a um pecado que não lhe dá a oportunidade de mudança, de consertar aquela área específica de sua vida. Todos nós servos de Deus iremos morrer com áreas de nossas vidas em que pecamos, em que ainda lutávamos para aprimorar a santificação. É por isso que o mérito de nossa salvação é de Cristo e não nosso. Se fosse nosso estaríamos perdidos. Ainda não conheci uma pessoa que seja perfeita em todos os seus caminhos!

(4) Alguns utilizam erradamente o texto de 1 Coríntios 3:17 para firmar que Deus vai destruir todos que se suicidarem. Vejamos o texto:  “Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; porque o santuário de Deus, que sois vós, é sagrado”. Porém, uma análise do contexto nos permite concluir que esse “santuário de Deus” que é citado não se trata do corpo físico de uma pessoa, mas está relacionado ao que diz o verso anterior, o verso 16, onde é dito que “sois santuário de Deus”, ou seja, está tratando as pessoas no plural em clara referência a igreja de Cristo (que são os servos Dele) e não a um indivíduo isolado.  Sendo assim, esse texto está falando de pessoas que atentam contra a igreja de Cristo, trazendo destruição a ela. Essas sofrerão juízo severo. De forma alguma esse texto aponta para um caso de suicídio.

O papel de cada um

Creio que a despeito de toda essa discussão teológica, fique evidente que dentre essas 1 milhão de pessoas que deverão se suicidar nesse ano, muitas delas estão muito próximas de nós, dando sinais, pedindo ajuda, batendo à nossa porta, buscando alívio para suas dores. O nosso papel é oferecer conforto, oferecer o ombro amigo, a ajuda necessária que elas precisam para desistir dessa prática terrível e viver uma vida que Deus deseja para elas. Elas precisam ser ouvidas, precisam ser curadas e cada um de nós tem um papel importante nessa cura, que precisamos exercer.



www.esbocandoideias.com
Presbítero André Sanchez

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Como vencer um pecado que parece mais forte do que eu?



Como vencer um pecado que parece mais forte do que eu?



Você Pergunta: Nos últimos meses tenho sentido minha vida totalmente fora de controle. Tenho tido alguns desejos errados que tem tomado conta da minha vida. Por mais que tenho lutado contra esses pecados, eles me vencem todos os dias. Parece algo maior do que eu! Não sei mais o que fazer, estou ficando louco com tanta pressão. Será que esse tipo de desejo não pode ser vencido? Às vezes penso que nunca vou conseguir resolver esse meu problema. Ajude-me! Como posso controlar esse pecado se ele parece mais forte do que eu? Como vencer um pecado desse tipo?

Caro leitor, creio que a sua situação é a mesma situação que todos nós seres humano passamos. Todos nós somos tentados pelos nossos maus desejos que buscam nos levar para a prática do pecado e para longe de Deus. Isso é fato. Até mesmo o grande apóstolo Paulo chegou a fazer uma observação interessante sobre esse assunto: “Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço” (Romanos 7:19). Mas isso não quer dizer que não tenhamos condições de vencer os maus desejos e o pecado. Temos sim essa condição. Vamos avaliar o que a Bíblia diz sobre isto:

(1) A primeira coisa a observarmos é que nenhum desejo ou pecado é incontrolável, a menos que permitamos que ele seja. A Bíblia nos ensina que as tentações são limitadas por Deus para que as possamos vencer: “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças…” (1 Coríntios 10:13). Um desejo só pode ser mais forte do que as nossas forças quando nós mesmos damos esse poder a ele. Assim, devemos nos posicionar com uma postura firme contra o pecado que nos assedia.

(2) Isso significa que os desejos nos vencem quando estamos fracos ou quando olhamos para nós mesmos nos achando fracos. Eles nos vencem quando damos esse poder a ele. Mas como damos esse poder de vitória aos desejos errados? Tiago nos mostra isso de forma clara em sua carta: “Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte” (Tiago 1:14). Permitimos ser atraídos e seduzidos pelos desejos errados. E uma vez seduzidos estamos nas mãos deles e eles promovem a sua destruição em nossa vida. Isso significa que devemos nos posicionar e dizer não logo quando sentimos que estamos cobiçando algo que é errado. Para vencer um pecado que parece maior do que nós precisamos ser firmes.

(3) Isso nos indica que para controlarmos os maus desejos devemos barrá-los logo no início, quando eles são mais fracos, quando estão tentando nos seduzir.  Essa, porém, não é uma tarefa fácil, pois desejamos (e gostamos) de fazer aquilo que está nos seduzindo. Cobiçamos aquilo. Geralmente os maus desejos nos dão certo prazer, e isso nos atrai. O segredo para a vitória está em sermos racionais, em trazermos à nossa mente aquilo que aprendemos na palavra de Deus e dizermos não. Paulo emprega uma linguagem que acho interessante quando orienta: “Fugi da impureza….” (1 Coríntios 6:18). Essa é uma excelente forma de enfrentar os maus desejos: fugir deles. Mas fugir para onde, se muitas vezes eles estão dentro de nós?

(4) Fugir para a presença de Deus! Os maus desejos são destruídos na presença de Deus. Quando fugimos deles e comparecemos em oração aos pés do Senhor, quando clamamos ao Pai, quando reconhecemos perante Ele a nossa pequenez, quando dizemos não ao pecado mesmo querendo praticá-lo, quando até choramos de desespero buscando forças em Deus, etc. Essas são formas de fugir e vencer os maus desejos que querem nos controlar. Não é tarefa fácil, mas é tarefa possível a cada um de nós. Basta gerarmos em nosso coração esse desejo de vencer e contarmos com a ajuda poderosa do nosso Deus: Humilhai-vos na presença do Senhor, e ele vos exaltará” (Tiago4:10).


www.esbocandoideias.com
Presbítero André Sanchez 

10 regras para um bom relacionamento no namoro.






1 – Fugir de todo mal humor e irritação; pois isto azeda o relacionamento.
Como é triste e difícil conviver com uma pessoa que só sabe reclamar; que só sabe ser do contra; e que nunca está satisfeita!
Se você é assim, saiba que precisa de uma psico terapia e de uma cura interior que o ajude a enxergar-se e mudar de comportamento.
Um casal irritado vive “explodindo!; e você sabe quais são as consequências de uma explosão.
2 – Corrigir o outro com carinho, se isto for inevitável. Mas faça-o sem que os outros percebam, e na hora certa, não quando a pessoa está magoada ou irritada.É difícil fazer um curativo numa ferida aberta. Só podemos tocar nela para curá-la, jamais para fazer a pessoa sofrer ainda amais.
3 – Nunca grite com o outro; pois gritar além de não resolver nada, ainda causa ressentimento e humilhação na pessoa.
Se você grita numa discussão é porque os seus argumentos são fracos.
Não apele para o direito da força, mas use a “força do direito!”.
4 – Não jogue no rosto do outro os erros que ele cometeu no passado. Isto acontece muitas vezes na hora de uma discussão acirrada.
Ora, ninguém gosta de ser lembrado pelos erros que cometeu no passado, e nem gosta de ser caraterizado por seus defeitos. Qualquer pessoa é sempre superior aos seus erros e defeitos.
Não desenterre o passado triste do seu namorado, o qual ele tanto se esforça para esquecer. Talvez fosse melhor até terminar o namoro do que partir para essa apelação dolorosa.
5 – Não seja displicente com o outro.Não o deixe, por exemplo, “ficar falando sozinho”, sem a sua devida atenção. Pare o que você estiver fazendo para dar atenção ao outro quando ele falar com você.
Talvez você possa ser displicente com as outras pessoas, mas jamais com aquela que você escolheu para começar a caminhar juntos.
Não deixe passar um dia sequer sem lhe dirigir uma palavra de carinho, de atenção, de elogio, etc.

6 – Saiba reconhecer o seu erro quando errar.Saiba pedir perdão ao outro, e de imediato, faça o que for possível para reparar o seu erro. Não fique se desculpando, disfarçando, não querendo dar o braço a torcer.
Saiba de uma coisa: quando se erra, só existe uma atitude honesta e madura a ser tomada; pedir perdão à pessoa ofendida e reparar o dano causado. Fora disso, é orgulho e arrogância.
Quanto bem faz a um casal esta palavra: “Meu bem, me perdoe!”
7 – Nunca se separem brigados um com o outro. Cheguem antes num acordo.
Não se pode juntar problema sobre problema no relacionamento dos dois; é preciso aprender a resolvê-los. Até certo ponto eles são normais em nossa vida, mas precisam ser resolvidos sem adiá-los. Não deixe para amanhã aquilo que vocês precisam resolver hoje.
8 – Aprendam a combinar as coisas.Muitos desentendimentos surgem entre os casais porque não aprenderam a combinar as coisas a fazer. O povo diz que “aquilo que é combinado não é caro”.
Então, quando um se exaltava com o outro por qualquer motivo, logo o mais calmo já ia dizendo: “não é agora a hora da briga”. Quando esta chegava, os nervos já tinham se acalmado, e nada de briga, acabava tudo numa boa conversa. Que tal?
9 – Não envolva os familiares nos problemas do namoro. A menos que, de comum acordo, vocês queiram consultá-los.
O sangue grita muito alto em nossas veias; e não são todos que têm maturidade suficiente para discernir as coisas quando se trata de parentes envolvidos na questão.
Não se intrometa nos problemas da família dela, a menos que você seja consultado; assim mesmo evite tomar partidos para que não se divida a família.
Se de um lado é preciso amar a família do outro, e recebê-la na sua vida como se fosse a sua segunda família, no entanto, será preciso cuidado para não a ficar criticando para o outro; isto o deixaria dividido entre o amor que tem a você e o amor que tem aos seus.
10 – quando necessário esteja pronto a sofrer pelo outro.Mesmo já no namoro pode haver momentos de sofrimento.
Às vezes pode ser a perda de um ente querido do outro; uma doença triste; um acidente; uma notícia desagradável, etc.
Nesta hora saiba estar ao lado do outro e fortalecê-lo com a fé em Deus, que “supera todo o entendimento humano”.

POR: Prof. Felipe Aquino VIA:NAMORO CRISTÃO

Não escolha um namorado, escolha um marido.



“Ele é alto, sarado, olhar firme e tem um belo sorriso. Faz bem o meu tipo, talvez. Acho que ele é a pessoa perfeita para ser meu namorado”, você poderia até pensar. Será que vale a pena tentar?
Grande parte da primeira impressão, quando dois olhares se cruzam, resultará em conclusões imediatas mediante simplesmente o que se viu. Não se trata de uma precipitação, mas de um impulso externo que talvez tenha sido alinhado com o que você sonha internamente, quando se trata do tipo de homem tão esperado. Precipitada você seria, se tomasse a decisão de relacionar-se com ele, baseando-se tão somente no que viu.
Não ser atraída pela bela aparência física de um rapaz, que é como você sempre sonhou, é algo quase que inevitável. Seus olhos enxergam primeiro o que está por fora, a aparência externa. Seu coração, na maioria das vezes, virá depois. Mesmo quando ele palpita, estremece e bate acelerado, foi primeiramente mediante um olhar.
A verdade é que as aparências podem nos enganar. Nem sempre o que os nossos olhos aprovam é o que nosso coração irá aceitar. Nem sempre a realidade do coração do rapaz irá superar ou estar em linha com o que seus olhos tiveram de expectativa. A própria bíblia declara firmemente, que existe diferença entre o que vemos exteriormente e o que está por dentro, no coração.
Se a pessoa por quem você tem uma “quedinha” não puder ser vista por você, como aquele que vai passar todos os anos de sua vida ao seu lado, então, esse rapaz não serve para você. Muitas vezes, pessoas se aventuram em relacionamentos relâmpagos, que se iniciam de uma hora para outra, sem um mínimo de tempo para que ambos, conversando, conheçam um pouco do que tem no coração. Muitos nem compartilham sonhos, desejos, anseios, planos. Arriscam-se num momento de aventura e prazer imediato e isso pode fragmentar o sentimento de ambos, trazendo muitas feridas à alma. Abra mão de viver um momento de delírios, para viver uma vida inteira de intensa felicidade ao lado do seu “eterno” namorado.
Quando for olhar para um homem com outras intenções, pergunte-se a si mesmo: vejo este lindo jovem como meu esposo? Consigo me enxergar vivendo ao lado dele todos os dias da minha vida? Quando penso nisso, me sinto em paz? Se ele não servir para ser seu marido, nunca irá servir para ser seu namorado. Pode ser que seja um relacionamento completamente desgastante e frustrado para ambas as partes. Quando se enfrentam as dificuldades no casamento, não é a aparência externa – o corpinho lindo, os olhos atraentes, e o belo sorriso – que irá “segurar a onda”, mas sim a beleza interna, o que se tem no coração. Escolha esperar e tome a decisão certa. Casamento é para a vida toda.
Se você está há algum tempo em um relacionamento e, por enquanto, só conseguiu enxergar a beleza externa e não viu nenhuma beleza interior no rapaz, fuja! Pode ser que seu coração esteja desaprovando o que seus olhos cegamente desejaram.
Trecho do livro “Do Que Elas Gostam”. Adquira em www.doolharaoaltar.com
Até a próxima!::Pr. Leandro Almeida 

4 redes sociais para evangélicos que você precisa conhecer!


facegloria rede socais evangelicas

As redes sociais são a nova forma de se comunicar nos dias de hoje. Facebook, Twitter, Instagram, Whatsapp e outras redes espalhadas por aí nos ajudam no dia a dia. Mas existem redes sociais para evangélicos, ou seja, voltada totalmente para o público cristão.
Veremos agora as 4 melhores redes sociais para evangélicos que você precisa conhecer!

Alki Page

Alki Page rede socais evangelicas
Com mais de 100 mil usuários, pode ser considerada uma das principais redes sociais para evangélicos do Brasil.
Além de rede social também possui rádio online, portal de vídeos, além de aplicativos para Android e iOS.

DNA Gospel

dna gospel rede socais evangelicas
Não possui muitos usuários como a anterior, mas possui um bom potencial. Não encontramos nenhum aplicativo e nenhum informação adicional, mas a vantagem em relação a anterior é a possibilidade de criar comunidades.

FaceGloria

facegloria rede socais evangelicas
A maior e a mais conhecida rede social para evangélicos do Brasil. Seu fundador, o senhor Acir dos Santos (conhecido como Acir Filló), foi prefeito de Ferraz de Vasconcelos (cidade da grande São Paulo) e teve o seu mandado cassado em dezembro de 2015.
Enfrenta até hoje um processo de plágio na justiça por conta da semelhança com o Facebook.
Atualmente possui cerca de 200 mil usuários ativos.

Apazdosenhor ou “Facecristão”

apazdosenhor-rede-socais-evangelicas
Conhecida até pouco tempo como “facecristão”, a rede social Apazdosenhor (isto mesmo, tudo junto), possui um designer simples e pouco convidativo.
Não informa a quantidade de usuários registrados e nem outras informações relevantes.

Conclusão

Estas são as redes sociais para evangélicos que você deveria tirar um tempo para conhecer.
Se você conhece alguma outra que queira nos indicar, deixe nos comentários.
Até Já!
PS: Considere nos seguir no Instagram e aumente a sua consciência sobre o Evangelho!

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Qual lugar Deus ocupa em sua vida?







Tem gente que por falta de sabedoria, discernimento ou até mesmo conscientemente tem tentado um "jeitinho" de servir a Deus e aos deuses deste mundo (tudo aquilo que ocupa o primeiro lugar em nosso coração).


Os samaritanos em dado momento passaram a "temer" a Deus ao mesmo tempo em que se prostravam perante seus próprios deuses - eram vários, incontáveis. Viviam segundo tradições, costumes, religiosidades. Era uma mistura diabólica, atômica, infernal!

No caso deles, era algo consciente. Eles sabiam que Deus reprovava tais atitudes. E o mais grave: sabiam de onde Deus os tinha tirado.

Será que você, como os samaritanos, até de modo consciente tem se prostrado aos deuses deste mundo mesmo tendo provas incontestáveis do amor de Deus sobre sua vida? O que tem ocupado o primeiro lugar em seu coração? No seu coração existe apenas e somente um único Altar ou vários altares? Deus tem ocupado um lugar exclusivo ou tem um lugar qualquer?

A fé que agrada a Deus e que gera resultados em nossas vidas é a fé prática, decidida. Não a "fé" cheia de dúvidas, divisões, incertezas, debilidades e achismos pessoais. A fé que agrada ao Altíssimo é a fé que leva a pessoa a obedecê-Lo incondicionalmente.

Como Ele poderá guiar um rebelde sem causa e consciente?

A fé que agrada a Deus é aquela que nos faz crer e entender cristalinamente que somente e exclusivamente n'Ele encontramos absolutamente tudo que precisamos. Socorro, auxílio, direção, provisão, livramento e sobretudo salvação. E por isso fazemos do lugar d'Ele, o ÚNICO.

Medite nesta mensagem lendo: 2 Reis 17:29:41.

Para o Geração Jovem,
Vinicius Brito - www.diantdorino.blogspot.com.br

Vida ou morte?






Ao contrário do que muitos ainda pensam a cruz está vazia! Nela o nosso Jesus não está mais pendurado.
Isso porque Ele ressuscitou dentre os mortos. Ele vive e reina!
Apesar de grande e glorioso Ele tem o interesse de nos ter com Ele. Não por alguns instantes mas para sempre.
Ele morreu e ressuscitou para que todo aquele que creia tenha vida e salvação após a jornada neste mundo. Jesus dá a todos nós a escolha, ainda em vida, sobre o que queremos no porvir: Vida eterna ou morte eterna.

Qual das duas você escolhe?
Ainda é tempo!!!
Quando lemos mensagens como essa e professamos a fé cristã, logo pensamos "ainda bem que eu já escolhi Jesus". Ledo engano. Não se trata de escolher e pronto. Esta escolha é diária, constante. Mesmo para aqueles que se batizaram, que foram transformados e que honram a Deus com suas vidas.
E saiba: aquele que fica em cima do muro já está do lado da morte eterna - pois além de ser pai da mentira o diabo tem outro filho (pouco conhecido por MUITOS) - a dúvida.

Abra os seus olhos, amigo leitor!

Para o Geração Jovem,

Vinicius Brito.
(www.diantedoreino.blogspot.com.br)

Cadastre seu email e receba nossas novidades